terça-feira, 18 de maio de 2010

Yann Tiersen


À Valsa Triste -

Téo Malvine -

. Meus dedos pressionavam pesado e crespos sobre tua pele quente e macia, descendo ladeira em teu corpo suado, abrindo espaço.

. Minha sede comete suicídio em teus lábios e língua salientes, minha força se perde, meu peito se enche e eu continuo sem fôlego, te açoito com o látego de minha língua insana.

. A valsa ainda tocava triste. -TRISTE!?- Nossos corpos em constante desritmia para com a melodia, nosso ócio em completo frenesi, e o ópio escorrendo de ti delirante, hilariante e cansativo.

. Suspira, transpira, sorria, geme, treme, estende o corpo, contorce-te. E a valsa tristonha acabara e sorrira pelo findar. E nossos corpos permaneciam.

5 comentários:

Hannah disse...

@.@!

Marimprovavel disse...

Proooooooonto, postei só porque você pediu hsuahsua
Na verdade costumo postar uma vez por mês só, e não tô tendo tempo nem pra isso.

Não sou boa em comentar :x

Marimprovavel disse...

quem bom que gostou, fiz o post certo então xD
Postei pq sonhei tem pouco tempo com algo sobre jasmim, mas o texto mesmo é antigo.

Victória disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Victória disse...

E no ardor dessa poesia, te parabenizo pela sutileza que consegue com as léxicas, nao deixando o fogo apagar. Você é bom! =)